Quarta-Feira, 09 de Novembro de 2011

Para ninguém ignorar: o álcool mata!


Há algum tempo venho pensando no assunto. Entretanto, como eu não bebo imaginei que pudesse ter uma visão distorcida do problema e até me lembrei de velha desculpa: “beber socialmente”, como se houvesse diferença na influência do álcool sobre o corpo humano se bebido em casa, num bar com amigos ou numa divertida festa?

Agora, contudo, tenho informação a respeito e de fonte insuspeita.

O Comitê Científico Independente para Drogas do Reino Unido depois de demorada pesquisa e meticuloso exame chegou a uma conclusão que deve mudar o comportamento de milhares de pessoas em todo mundo, ou pela menos dos mais sensatos e responsáveis.

Resultado de intenso labor do Comitê inglês: o álcool é uma droga mais perigo do que o crack e a heroína e, imaginem, três vezes pior do que o tabaco e a cocaína. Os pesquisadores levaram em conta os danos provocados aos usuários e a terceiros a curto e longo prazo.

Em uma escala de zero a cem o álcool aparece com 72 pontos, a heroína com 55 e o crack 54. Foram igualmente avaliadas as metanfetaminas, 33; cocaína, 27; tabaco, 26; anfetaminas, 23; maconha, 20; ecstasy, 9 e esteroides anabolizantes, 9.

E o Comitê Científico Independente para Drogas do Reino Unido foi enfático ao anunciar o risco que essa prática significa para povos de todo o planeta já que pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde constatou que os riscos associados ao consumo do álcool são responsáveis, quando pouco, por nada menos do que dois milhões e meio de mortes a cada ano. Informação alarmante e lastimável e que, infelizmente vem chegando tardiamente ao conhecimento público. Quantas vidas jovens já foram consumidas por esse maldito hábito e quantas ainda não estão livres de por ele serem vitimadas. Tudo bem, antes tarde do que nunca. E a partir de agora só a ignorância ou a irresponsabilidade poderão continuar a sacrificar outras vidas.







 Voltar

Contato