Terça-Feira, 01 de Março de 2011

Domínio do mundo


Pode parecer estranho e estranho realmente é mas vamos por muito tempo continuar falando de figuras do passado e, paradoxalmente, menos de heróis e mais de bandido. Iniciemos por quem? Talvez nada melhor do que começar por ele. Pensou bem: Hitler. É possível que este ou aquele tenha sido mais cruel, mas Hitler ganhou esse concurso internacional e, queira Deus, ninguém venha a superá-lo. Adolfinho, não era uma pessoa forte, baixo, com pequeno bigode, sua marca registrada, só superada pela suástica, emblema que criou e difundiu como marca do seu poder.

No início do século XX, Viena era uma espécie de ponto de conflito do velho contra o novo, do moderno com a tradição, do capitalismo da disciplina com o diletante ócio da arte. Nesse clima simples e tranquilo Hitler formou sua personalidade que, por algum mistério, veio transformá-lo em homem devotado a si mesmo, que alguns chamaram de herói wagneriano, aos 18 anos um artista “gnial”, outsider e revolucionário, desafiador da ordem existente, denunciando a ética da burguesia de que era preciso trabalhar para viver e sempre mais ambicioso.

Ambição que chegou a cabeça de poucos: conquistar o mundo. Inicialmente com acordos internacionais e quando não possível, pela força. E os que acompanharam sua façanha como eu, chegaram a temer que ele alcançasse seu objetivo.

Hitler nasceu em Braunau (Alta Áustria) em 1889 e faleceu em Berlim, 1945. Na primeira guerra mundial alistou-se no exército, foi ferido e condecorado com a Cruz de Ferro. Em 1919 ingressou no Partido Operário Alemão (direita) dirigido por Drexler a quem superou tornando-se presidente. Mudou para Partido Nacional Socialista Alemão do Trabalho, formando uma organização paramilitar. Por sua atividade foi condenado em janeiro de 1924 a cinco anos de prisão.

A crise de 1929 deu impulso ao partido nazista e em 1930, 107 nazistas foram eleitos deputados e Hitler passou a receber convites. Recusou uma pasta no Ministério, e o cargo de chanceler e se candidatou à presidência. Teve 13.400.000 votos, insuficientes para vencer. Mas a 30 de janeiro de 1933, após dissolução do Parlamento, as violências da SA e o incêndio do Reichstag, falsamente atribuído aos comunistas, o partido nazista recebeu 44% dos votos e Hitler recebeu do Parlamento plenos poderes por quatro anos. E construiu sua máquina de poder.

Eliminou todas as oposições, os adversários das SA, numa data que foi chamada de Noite dos Facões Compridos (30 de junho de 1934) e Hitler passou a ser cumulativamente chanceler, presidente do Reich e ostentar o título de Reichsfuherer, em agosto de 1934 (plebiscito). Foi quando começou a colocar em prática sua ideia de raça superior, com a doutrina do nacional-socialismo definida em seu livro Mein Kampg (Minha Luta) propondo exterminar raças que considerava impuras a exemplo de judeus, ciganos, eslavos e miscigenados da Europa e do resto do mundo para o que organizou a famosa Gestapo e instalou campos de concentração onde os “imprestáveis” passavam a executar trabalhos forçados e onde foram feitas experiências biológicas, sevícias e atrocidades culminando com o aniquilamento em câmaras de gás letais e fornos crematórios. Incrível mas contou com o apoio da Itália, de Mussolini, Espanha, de Franco, e do Japão. Ocupou a Renânia, Áustria, os Sudestos, as regiões tchecas da Boêmia e da Morávia, invadiu a Polônia em setembro de 1939 e criou a guerra-relâmpago (Blitzkrieg) com a qual invadiu a Noruega e a Dinamarca e, em seguida, a Holanda, Bélgica e França.

Em 1941 Hitler atacou a Rússia e como já dominava também a Romênia, a Iugoslávia e a Grécia (dominava a maior parte da Europa continental) e mantinha um exército, comandado por Von Rommel na frente africana e, ainda sustentava ofensiva aérea contra a Grã-Bretanha. Nos dias atuais parece difícil entender como um país chegou a esse ponto, ou seja, estava provando que poderia conquistar o mundo...

Ocorreu então o fracasso do chamado cerco de Stalingrado (fevereiro de 1943) e a aberturado segundo front da Normandia (junho de 1944) e a situação começou a sofrer uma reviravolta. Quando a coisa apertou Hitler começou a sofrer problemas internos. A 20 de julho de 1944 o coronel Von Stauffemberg tentou assassiná-lo, mas Hitler ficou apenas ferido. A seguir nova derrota nas Ardenas, em dezembro de 1944.

Sentindo o perigo Hitler instalou-se em um abrigo cimento-armado em Berlim, onde consta que teria se casado com sua amante, a atriz de cinema Eva Braun, ao lado de quem teria se suicidado (e com ela) em 30 de abril de 1945. No dia 2 de maio as tropas russas entraram em Berlim. E ali terminava o sonho de um cérebro alucinado e o mundo voltava a respirar em paz. Felizmente até os dias presentes...







 Voltar

Contato